APOGEE
A Empresa
Projetos
Consultoria
auditoria
Treinamento
Agenda
Artigos
Recursos
Fale Conosco
 

 

Grupos de trabalho IEEE 80.3 e 802.11

 
     
 

Fibras Ópticas: Qual Escolher? - (publicado no Cabling News n°27 - Dezembro 2003, pg. 12)

Fibras Ópticas: Qual Escolher?


Até pouco tempo atrás, as velocidades normais em uma rede giravam em torno de 10 Mb/s e 100 Mb/s. Eram velocidades consideradas suficientes para a maioria das redes locais. Geralmente, o 10 Mb/s era a velocidade usada para ligar os usuários aos hubs e switches, enquanto o 100 Mb/s era reservado para ligações de backbone ou entre switches e servidores. Enquanto os sistemas operacionais eram leves, com poucos recursos de multimídia, ligações a 10 Mb/s pareciam suficientes, ou até mesmo excessivas.

Hoje em dia, o tráfego é muito maior. Ninguém pensa mais em instalar uma rede sem que cada usuário receba um link dedicado de 100 Mb/s. Mas se cada usuário recebe tal velocidade, que velocidade deveríamos ter no backbone? Pelo menos 1 Gb/s, para não haver congestionamento.

E as velocidades não pararam por aí. Sistemas operacionais mais pesados estão exigindo cada vez mais das máquinas, obrigando-nos a pensar no upgrade para 1 Gb/s para cada um de nossos usuários de rede, nos próximos anos. A essa velocidade, os backbones devem ser aumentados para os 10 Gb/s, hoje já disponível no mercado.

Mas e quanto às fibras ópticas existentes? Como elas lidam com velocidades de 1 Gb/s ou até mesmo de 10 Gb/s? Os backbones antigos, a 100 Mb/s, podiam ser atendidos por qualquer fibra multimodo. Mas as velocidades atuais exigem fibras novas. Fibras multimodo convencionais, que possuem núcleo de 62,5 µm, não atingem grandes distâncias em velocidades altas. Veja a tabela abaixo:

Aplicação

Distância em FO  MM62,5 µm  convencional (m)

Velocidade

10BASE-FL  2000 10 Mb/s
100BASE-FX 2000 100 Mb/s
1000BASE-SX 274 1 Gb/s
1000BASE-LX 550 1 Gb/s
10GBASE-SR  33 10 Gb/s
10GBASE-LX4 300 10 Gb/s


Como demonstrado pela tabela acima, para se chegar a distâncias maiores com o 1 Gb/s, só com sua versão mais cara, o 1000BASE-LX. A versão mais barata, 1000BASE-SX, mal atinge os 300 m. E quando falamos em 10 Gb/s, a coisa realmente complica. Para alcançarmos distâncias superiores a 33 m, temos que partir para a opção mais cara 10GBASE-LX4. Essa limitação decorre do fato de as fibras convencionais não se portarem muito bem quando iluminadas com fontes a laser, necessárias nas velocidades de 1 Gb/s e 10 Gb/s.

Para superar essas dificuldades em altas velocidades, foram criadas novas fibras multimodo, que são otimizadas para transmissão a laser. Chamadas de LOMMF (Laser Optimized Multimode Fibe, de acordo com a TIA), ou de OM3 (de acordo com a ISO), essas fibras permitem a extensão das distâncias para as velocidades mais altas, mesmo com o uso dos equipamentos mais baratos, como podemos ver na tabela a seguir.

Sempre devemos evitar os equipamentos que utilizem comprimento de onda de 1300nm (1000BASE-LX e 10GBASE-LX4), pois são mais caros que aqueles que operam a 850 nm (1000BASE-SX e 10GBASE-SR) e que utilizam como emissores o VCSEL, mais baratos que o diodo laser.

Considerando-se que a grande maioria dos backbones internos são menores ou iguais a 300 m, a LOMMF torna-se a opção de melhor custo-benefício para a ativação de links da era gigabit. Se forem necessárias distâncias superiores às mostradas na tabela acima, a única opção disponível hoje é a utilização de fibras monomodo combinadas com os equipamentos mais caros, baseados em diodo laser.

Como vimos, para se projetar um link óptico, um dos parâmetros fundamentais é a distância entre os equipamentos. É essa distância que irá determinar a combinação fibra/equipamento que irá funcionar corretamente no backbone. Atualmente, o melhor custo-benefício será atingido ao usarmos fibras LOMMF em combinação com os equipamentos baseados em VCSEL de 850 nm (1000BASE-SX e 10GBASE-SR). Desta forma, garantimos o suporte às tecnologias de 1 Gb/s e de 10 Gb/s na grande maioria das corporações existentes, e com o melhor custo possível.

 
     
     
  << voltar para artigos  
     
Home Fale Conosco Email
NeoMacro Software